domingo, 19 de outubro de 2008

Café


Ele mexia em sua xícara com certa impaciência.

- Então, é isso mesmo?
- Tem dúvidas?
- Não. Nas útimas duas semanas, você demonstrou claramente.

Ela deixou a colherzinha de açúcar cair no chão.

- Sabe realmente o que eu não suporto? A sua passividade. Você, literalmente, vê a vida passando. E não faz absolutamente nada.
- Ah, o que você quer que eu faça? Que eu saia rastejando, implorando para que você mude sua decisão?
- Se você me pedisse, talvez eu até pensasse melhor.
- Mulheres...Quem entende?
- Qualquer homem com um minímo de sensibilidade.
- Ah, então eu sou um insensível.

Ela suspira.

- Olha, vamos fazer o seguinte. Continuamos a nossa conversa como um homem e uma mulher civilizados e você pára de distorcer o que eu digo.
- Certo. Sobre o que você quer conversar? Gravatas, xadrez, Flamengo?
- Engraçadinho. Sabe que eu não vi a sua ironia em nenhum destes tópicos?
- Ora, decida-se. Ironia ou passividade? Eis a questão.
- Você está impossível hoje.
- Você me deixa impossível.

Sua voz saíra divertida, mas causara-lhe todo um rebuliço interior. Estremeceu. Não estava em seus planos estremecer. Deveria ser firme, cumprindo o que estava ensaiando a três dias.

Mas não daria certo. Nunca havia dado certo. Ele sempre a fazia voltar atrás.

- Jogo de palavras agora? - finalmente disse.
- A vida é um jogo de palavras. Somos peças utilizadas, trocadas e finalmente, atiradas a escanteio.
- Você jamais perderá essa mania de usar metáforas futebolísticas.
- E você de querer aparentar ser algo que não é.
Mordeu os lábios, coisa que fazia quando percebia que estava sendo vencida em um duelo verbal. E não adiantava negar; ele a conhecia melhor do que sua mãe.
- Como você pode confirmar sua afirmação? - De repente, sua voz se tornara casual e perigosa ao mesmo tempo.
- Simples. Namoro é troca de informações. Teu erro foi passar coisa demais, a ponto de eu saber quanto está mentindo e quando fala a verdade.
- Se me conhece tanto assim, por que está me deixando ir assim?
- Simples. TPM.

Ela o abraça. Ele havia passado no teste.

12 comentários:

Barbara Góes disse...

ai...
falar de ex eh terrivel msm.. ^^

kkkkkkkkkkkkkkkkk

lista de micos eh grande.. eh q uns nao posso dvulgar, neh?? =D

outra historinha???

Maldito disse...

Agora fiquei bolado,...
Vou prestar mais atenção nos meus dialogos com mulheres e ver se não é s´´o um teste!
Bjs

Nataliinha disse...

Adoreii .
Adoreii ... =)

Parabeens Sam, tá divino o que vc escreveu !!

Beiijoos =**

Camila disse...

Que lindo! =)
TPM É FORA DE SÉRIO NÉ!
hahha

beijão flor!

Gauche disse...

Desculpe pela ausência, querida.

Mariana Anselmo disse...

HAHAHA adorei!
ahh.. a TPM! nos mata e a eles tbm, convenhamos!! rs
parabéns, moça!
adorei seu blog tbm! =] pena não ter passado aqui antes.
beijo

Camila :) disse...

doreeeei *--*

anne biah disse...

ah, tu escreves muito bem, meo.
adorei o texto.

TPM, há.

Mary West disse...

Meu quando tou de tpm, o mundo tb tá! :D

LindaRê disse...

Mas pra descobrir TPM nem precisa conhecer muito... é só fazer continhas!
rs

Beijos

Querido Diário Otário disse...

escreves muito bem, adorei adorei *-*
beijos

Jerri Dias disse...

Gostei, mas a TPM da personagem é fraquinha. Eu conheço piores...

Abraço.