domingo, 11 de outubro de 2009

Bailarina


Nasceu assim. Pés soltos, de vida própria. Bastava uma batida que saíam, afoitos, a bailar qualquer melodia que conhecessem. De tão entusiasmados pareciam rir, de um chiste que só eles entendiam. Ria, sem saber, a menina, que de certeza só tinha a de ser um dia bailarina.

As amigas sonhavam com os palcos, sapatilhas de cetim, saias rodadas. Ela queria ser o sonho; dançar da alma, como diria a professora de balé. A bailarina, nem tão bailarina ainda, achava bonito aquelas palavras, apesar de não entendê-las por completo. E nem precisava de aplausos, dizia. Flores eram efêmeras, as fotos, mera lembrança. Bonito era o sorriso, que esvaía e voltava - seria o sorriso uma outra dança?

O tempo passara e a bailarina também. Perdeu-se em algum canto dos palcos em que dançara. Que há, bailarina? As sapatilhas, antes símbolos da liberdade de seus movimentos, agora dançavam para quem pagasse mais para vê-las. A prosa prendeu no papel moeda, a poesia estava embalada no papel de bala.

Aprendeu, do jeito ensinado pelo mundo, que deveria ser de diamante. Bonita, mas dura. Tão dura a ponto de ser cobiçada e repelida. De ser bendita aos olhos e maldita ao coração. Que coração, menina-bailarina? Quantos não lhes ofereceram o músculo involuntário ainda a pulsar, errante. Diria Clarice, a mais premente necessidade de um ser humano era tornar-se um ser humano. Humanidade? Queria mais a prata; viver de cristal compensava a ausência de espírito.

Trombamos ontem. Fez que não me viu. Cresceu e desapareceu. Sorri um sorriso de ironia, afogando a dança no mar do mundo. Ah, bailarina, em que rua foi que perdestes tua poesia?

19 comentários:

Rafael Cotrim disse...

Nossa. :) Deu até vontade de dançar, agora. EASHUESHA! Lindo, sam. Beijos.

Bertonie disse...

Lindo, Samia, lindo (:
Acho que às vezes a gente acaba se contradizendo e perdendo parte da nossa poesia quando misturamos o lirismo com a rudimentação da nossa realidade cotidiana.


beigos mil

Erica Ferro disse...

Fiquei bestinha ao ler isso. =P
Tão doce... =D

"Acho que às vezes a gente acaba se contradizendo e perdendo parte da nossa poesia quando misturamos o lirismo com a rudimentação da nossa realidade cotidiana." [2]


Não posso perder minha poesia. =D

:*

P.s: que sua primavera não se demore. ^^

Nathália Monte ;D disse...

liindoO.eu queriia ser bailarina quando pequena..mais mainha nao deixOu.tristeza..kkkk

beijO sam.

Jéu disse...

Você realmente (com ênfase no realmente) sabe escrever.

Já passei por aqui umas vinte vezes...é a primeira vez que comento.

Parabéns pelo talento.

Jefferson

Jéu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiêgo disse...

Amo seu blog! E QUE LINDO O texto! DEMAIS *-*

Beijonas ;*/ AMO SEU BLOG ( DE NOVO )

Marcelo Mayer disse...

mas não perdeste o compasso

belo!

Cissa disse...

as vezes a gente entende a vida errado. acho que é isso.

Erica Ferro disse...

Samia, sabe o que eu vim fazer aqui hoje?
Dizer 'obrigada'.
Sim, obrigada pelo carinho comigo e com o Sacudindo Palavras.
Sabe, eu fico muito feliz quando vejo um comentário teu. É que eu te acho fantástica escrevendo. Enfim, admiro você.
Então é isso: OBRIGADA, SAM!

Beijo pra ti.
Ótima semana.
:*

Henrique Miné disse...

É, aposto que a indireta surtiu efeito.

Pois, se surtiu efeito até em quem não tem nada a ver com a história, ehhe.

Perfeito, mais uma vez.

Beeeeijos.

Desirée disse...

Você me fez lmbrar da época em qu eu dançava, eu sinto tanta flta disso!
De me sentir livre e sem preocupações.
bjos flor

Barbie disse...

Estou apaixonada pelo seu modo de escrever! Quando crescer quero escrever assim!XD!

Letícia Lovegood disse...

algumas pessoas param de enxergar a poesia da vida quando as dificuldades aparecem no caminho. espero q com vc ñ seja assim!

samia, queria dizer que AMO seu blog, e, mesmo não comentando sempre, leio seus posts. vc pode ler os meus? seria uma honra ter uma blogueira tão talentosa entre meus seguidores!

bjs

letícia

p.s: docesorvete.blogspot.com

Thaís A. disse...

Que lindo Sam, e que indirenta mais digamos, com classe! UEHSAUEHAUSHE, as palvra sque voce usou sobre a bailarina foram tao lindas, juro :)

lapisderomova disse...

Bailarina é paradoxo, caos.

Suavidade e riso para quem é bruta força. Singeleza e vôo para quem suporta pura dor.

Tal ela, tal o texto. Lindo.

Jaya disse...

Sam,

Bailarina foi meu sonho, hoje é minha alma.

Hoje, fiquei a pensar no teu texto. Li duas vezes. Porque é bem por aí, mesmo. Aliás, um dia escrevi sobre uma bailarina, que talvez seja eu, talvez não seja mais, e talvez seja você.

Se quiser, espia:

http://liricass.blogspot.com/2008/05/ciranda-da-bailarina.html


E a indireta, no caso, eu não entendi. Hoho. Mas eu ri.

Um beeeeijo, frô.

Paulinha Fernandes disse...

LINDO!!!!!
parabéns =]

Felicidade Clandestina. disse...

dançante,

perfeito *